sábado, 23 de abril de 2011

Por que andar a segunda milha!

“Se alguém, das tropas estrangeiras de ocupação, obrigar você a levar uma carga um quilômetro (milha), leve dois quilômetros (milhas).” Mt 5.41. (BLH)

             Esta é uma das grandes exortações do Senhor. Jesus se refere a um costume romano. Muitos cidadãos dos países dominados por Roma, eram obrigados a servir até em trabalhos forçados. Além de serem recrutados de guias indo a terras desconhecidas, ainda eram obrigados a levar grandes cargas por longas jornadas. E isto cabia também ao judeu mesmo que estivesse cuidando de suas obrigações e deveres pessoais, se um romano o encontrasse podia exigir dele: “leve essa carga pra mim!” e o judeu tinha que obedecer-lhe.
              Não pare na primeira milha! Ande a segunda também, vá além do comum.
O cristão não deve ficar controlando o relógio, com medo de trabalhar minutos a mais. Não deve registrar tudo o que faz pelos outros, com medo de fazer mais do que tem recebido. Deve ir além, andar a segunda milha.
             Portanto vamos avaliar como podemos andar a segunda milha, ir além do esperado, primeiro no nosso relacionamento com Deus.
            Temos algumas atividades comuns que desempenhamos em nosso relacionamento com Deus: como estudar a Bíblia e a lição, ir a igreja e participar de suas atividades, fazer o trabalho missionário de vez em quando, entre outras.
           Muitas vezes nossa religião se resume em cumprir essas “obrigações” comuns. E Até avaliamos a espiritualidade dos outros com base nessas atividades (grande perigo).
É aqui que queremos aplicar o princípio da segunda milha, que não é uma opção, mas uma ordem de Cristo a seus discípulos. Quase sempre queremos andar só a primeira milha, no sentido de consagração, oração, amor aos outros e até na obediência à vontade de Deus. Achamos que cumprimos nosso dever quando damos alguma oferta ou esmola, ou nos ajoelhamos pela manhã e à noite e repetimos uma rápida oração, ou lemos apressadamente algum texto da Bíblia. Essas são no máximo caminhadas da primeira milha.
          Precisamos sair do aspecto formal de nosso relacionamento com Deus e entrar na segunda milha que é desenvolver uma intimidade pessoal com Ele. Não estudaremos sua Palavra pra cumprir um requisito, nem iremos a igreja por obrigação. Na segunda milha não estaremos preocupados em fazer o básico de um cristão, nossa preocupação será usar todos os meios possíveis para fortalecer nossa relação com Deus e evitar tudo que nos separa dEle.
          Quando andamos a segunda milha no nosso relacionamento com Deus, isso afeta a maneira como nos relacionamos com nosso semelhante, indo além da lei causa-e-efeito. O contexto da passagem nos mostra isso. O alvo de uma pessoa comum e retribuir o que recebeu, na mesma medida (olho por olho, dente por dente). Os filhos do reino vão além, estão prontos a deixar a túnica e a capa, também. No convívio com nossos semelhantes, seja na família, no trabalho, na igreja, enfrentamos situações que podem gerar ressentimentos, magoas. Cristo espera que nossa reação a essas situações vá alem do esperado, simplesmente perdoar e evitar o contato. Ele quer que manifestemos amor prático pela pessoas de quem nos ressentimos, isso causará surpresa e mudará o curso das coisas. A segunda milha nos afastará das criticas ferinas, das reclamações sem sentido e nos levará a agir de maneira proativa em favor do nosso semelhante.
          A atitude de um verdadeiro cristão, porém, é ir além. Você, na vida social, familiar, espiritual, tem sido um cristão da primeira ou da segunda milha? Peça a Jesus que lhe faça ser cristão da segunda milha!