terça-feira, 28 de junho de 2011

Sózinho e sózinho e sózinho e Deus!

          Há um tempo atrás jamais poderia ficar só em casa, sempre tinha q ter alguém mesmo se fosse minha pequena filha de 7 anos. Mesmo assim as vezes não era suficiente. Certa vez numa tarde todos sairam ficamos apenas eu e ela. De repente uma agonia, de repente a sensação "estou só", bastou para que entrasse em pânico. Sai da presença da minha filha e fui para outro compartimento ali chorei descompassadamente. Então lembrei do versículo que o Pr da igreja havia me dado p ler, quando tivesse em crise Josué 1:9

         Lembre da minha ordem: "Seja forte e corajoso! Não fique desanimado, nem tenha medo, porque eu, o Eterno, o seu Deus, estarei com você em qualquer lugar para onde você for!"

        Lia com toda minha força e o repetia por diversas vezes, não como um mantra mais a fim de acreditar naquelas palavras. Mais já era tarde o medo tinha tomado conta de mim. Liguei para ele mais não estava. Então decidi ligar p um amigo meu q já havia passado por problemas semelhantes uns 15 anos atrás. No entanto, o telefone ficava na sala, onde estava minha filha. E eu não parava de repetir: "Estou sózinho, estou sózinho!" Antes havia ligado para minha esposa que estava na faculdade, eu havia me tornado dependente dela a sua simples presença me acalmava, ela ficou nervosa, não poderia sair dali, além disso moramos 13 km de distância do centro.



       Então fui dizendo a mim mesmo que não poderia chorar na frente da minha filha. Liguei para ele, mas na primeira frase dizendo que estava sózinho cair em prantos. Minha filha desesperou-se (meu Deus, peço perdão aos q leêm neste momento é sofrida a lembrança da minha filha desesperada, chorando sem sabe acho eu o q acontecia ali, eu me emociono). O amigo do outro lado da linha tenta me acalmar, ele sabe já passou por traumas pesados, já se sentiu assim. Ele pede p desligar o telefone que irá retornar. Minutos depois ele retornar dizendo q ligou p minha esposa e ela está a caminho. E ficamos conversando (está chovendo). Passado um tempo a esposa chega e minutos depois minha mãe (moro ao lado da casa dela).
       Depois disto não poderia ficar mais sózinho, elas afirmam q tem q sempre ter alguém comigo, muitas vezes vinha um colega p casa, ficavamos conversando, jogando play, falando sobre a Bíblia. Me sinto um inválido, me sinto como um bebê. Muitas das vezes não tinha como principalmente no sábado, ficava somente eu e minha filha. Ela assistindo desenho, eu tinha duas opções ficava encaixotado num sofá (por que até isso tinha que ter um ritual p fazer, uma posição correta em ficar) ou deitado acordado na cama, inerte até a chegada de alguém.
      Hoje, 28 de junho de 2011, pela manhã, estou sózinho, todos saíram. Porém não estou sózinho mais, na verdade nunca estive, todavia, o medo não nos deixa ver nada. Estava lavando a louça do café e me vi, como uma visão prostrado, mas não falava nada, apenas ali na presença de Deus sem uma única palavra.
      Fazia anos que não repetia essa experiência e me demorei e a quase perdir. A meia hora atrás fiz! Eu ingenuamente tentarie descrever, é algo sem igual, quando tive a visão me arrepiei e senti uma vontade voraz em fazer. Sózinho, eu e Deus. E lembrei da música Doce Nome:

"Só de ouvir tua voz
De sentir teu amor
Só de pronunciar o teu nome
Os meus medos se vão
Minha dor meu sofrer
Gozo e de paz tu imundas meu ser".