sábado, 17 de março de 2012

Jota A; Jonas Maciel e Daniele Cristina em Belém

      É neste sábado a partir das 19:00 hs. Eu já comprei os meus ingressos (à família toda).
    Daniele Cristina eu pessoalmente conheço a música "Fidelidade". Jonas Maciel não o conheço, mais para estar no evento deve ser benção. Andei escutando algumas musicas e são boas.
    Jota A, todos conhecem, o fenômeno do Programa Raul Gil. Realmente o moleque (muitos não gostam desse termo), canta muito.
     A celebração do aniversário da Boas Novas será no Centenário Centro de Convenções, na Augusto Montenegro, para os esquecidos ali no Vale da Benção!
      Haverá vários sorteios. Venda de ingressos CPAD, Kadosh, Control Z Informática, Bless, Benção Livros e Central de Semeadores da Boas Novas Belém Trav. Vileta, 2193 - Marco
     Aqui em Icoaraci e creio que em Belém também, a Control Z tá fazendo uma promoção muito boa, na compra de dois ingressos (R$ 20,00), você ganha outro totalmente gratis. 
     Número da Control Z Belém: 3221-4610 (para quem mora em Icoaraci liga pra lá e pede o número) ou vai lá, fica ao lado da farmácia do Trabalhador, naqueles quiosques da Loja Visão.
     Vai ser Benção sobre Benção!

quinta-feira, 15 de março de 2012

Cavar é Preciso


"Partindo dali, cavou ainda outro poço; e, como por esse não contenderam, chamou-lhe Reobote e disse: Porque agora nos deu lugar o SENHOR, e prosperaremos na terra." (Gênesis 26:22)

Isaque passou um bom tempo cavando poços para ter água, mas os pastores de Gerar pelejavam contra ele. Se tivesse desistido, estaria com sede até os dias de hoje. Mas persistiu, e um belo dia não disputaram com ele pela água do poço e foi neste dia que começou a prosperar na terra.
Aprendamos com Isaque e não desistamos. Talvez você tenha cavado um poço e desistido, talvez tenha cavado dois poços e desistido, ou talvez tenha cavaco 15 poços e desistido. Eu não sei. Mas minha preocupação é simples: talvez você tenha cavado um poço a menos do que deveria e tenha desistido. O próximo seria o abençoado mas você desistiu.
Não desista.
Se você tem tentado ganhar pessoas para Jesus compartilhando a sua fé, mas ninguém aceita, tente mais um. O próximo pode ser o abençoado, não desista. Talvez mudar de emprego é um pesadelo e você já tentou tantas vezes. O próximo pode ser o abençoado, não desista. Um relacionamento pode ter dado errado e as frustrações são tantas que dá vontade se esconder numa caverna e nunca mais namorar ninguém. O próximo pode ser o abençoado, não desista.
Apenas vamos distinguir uma coisa de outra: ser persistente é benção de Deus, ser teimoso é carnal. O persistente não desiste, sabe onde quer chegar, tem convicção, sabe seu alvo, avalia o contexto. O teimoso não desiste, às vezes sabe seu alvo, mas sua prioridade é estar certo e ter razão, não atingir um objetivo. A diferença é ruim e cruel, mas é a verdade. Persistente quer atingir o objetivo, teimoso quer ter razão. Cuidado.
Seja persistente mas não seja teimoso. Se Deus te deu convicção de alguma coisa, morra tentando. O próximo pode ser o abençoado, não desista. Conheço pessoas que estão orando há mais 40 anos e somente agora os primeiros irmãos estão se convertendo. O próximo pode ser o abençoado, não desista.
"Deus, eu não quero desistir mas não quero ser teimoso. Para mim é muito mais fácil errar do que acertar, por isso dependo de Ti para me ensinar e dirigir. Tem misericórdia de mim."
Mário Fernandez

segunda-feira, 12 de março de 2012

Ontem conversei com Deus

               Para muitas pessoas soa estranho dizer que você ora no banheiro ou lê a Bíblia no banheiro, inclusive já encontrei até comunidades. No meu caso eu leio de tudo no banheiro, afinal de contas são pelo menos 15 minutos da tua vida que não serão desperdiçados com uma boa leitura. Para mim é local mais íntimo da casa (e bota íntimo nisso!) e não é de hoje que faço isso! Ontem, domingo decidi tomar um banho daqueles (bem demorado). E levei meu celular para escutar música. Ao escutar a música "Acontece", segue a música abaixo:



                 Antes de entrar no assunto, gostaria de abrir um parentese, na verdade vários. Eu ainda não vi um povo tão pretencioso como o evangélico em se achar santarrão e como a música diz julgador. Temos uma vontade feroz de "destronar" Deus, sentar em seu lugar e começar o julgamento.
                Já ouvi absurdos do tipo, a pessoa estava desempregada, se voltou pra Deus, conseguiu o emprego e depois esqueceu a "IGREJA", igreja não é sinonimo de Deus. É apenas uma das ramificações (não no sentido de divisão), mas de extensão do Cristianismo, ninguém sabe o quanto o trabalho da pessoa pode ser pesado ou stressante, ninguém sabe se ele faz culto doméstico em sua casa, ninguém sabe o quanto ele é benção no seu trabalho e continua com os principios bíblicos em sua vida. Ninguém o visita para saber o que aconteceu. É um julgamento cheio de condenações e agravantes! E quando a pessoa acaba perdendo o emprego, alguns são "boca de Deus" e dizem: "Tá vendo, o Senhor deu uma rasteira", outros: "Castigo", sinceramente, não acredito neste Deus castigador, para mim Ele ficou nos pensamentos medievais. Mais há alguns insistentes e dizem: "Deus é justiça!", não há duvidas quanto a isso e por isso mesmo acredito num Deus que não tem essa medida humana cheia de erros. O que na verdade é que queremos fazer com o Deus, judaico-cristão (O Nosso Deus), o que os gregos fizeram na Grécia Antiga, colocar elementos puramente humanos nas divindades. Enchemos Deus de um caráter puramente humano, cheio de ódio, vingança e etc... Parece que ali está Deus olhando o que fazemos e quando derrapamos lá está Ele lançando uma mão cheia de raios de maldições sobre a nossa vida, a quanto engano Deus é compassivo, sua misericórdia dura para sempre e Ele tarda em se ira.
           As coisas acontecem por que muitas das vezes temos ações que gera reações, o Diabo também está para tentar e quando Deus quer provar, não é para Ele. Porém para nós aprendermos alguma coisa afinal de contas, Deus sabia o quando Abraão o amava, Ele é onisciente. Abraão assim como eu e vc temos que tirar lições das circunstâncias. O problema é que esta envolvido num stress e as vezes decisões rapidas são perigosas. Em outras sentimentos como orgulho e vergonha prejudicam.
          O agravante que as pessoas colocam são: "Isso é safadeza" ou "falta de vergonha", "besteira, infantilidade, frescura" e por aí vai! Mesmo que fosse todas essas coisas, tudo isso deve ter um motor gerador, por que não tentamos buscar direto na fonte ou pelo menos próximo os motivos, quem sabe não é um fator financeiro, familiar, saúde (físico, psicológico), espiritual e etc.. E já que acreditamos em céu e inferno, já paramos para pensar que existe demônios agindo em todas as áreas de nossas vidas ou será tudo psicológico?! E que seja psicológico, que seja financeiro, saúde ou espiritual o que importa é o apoio, pois a pessoa está confusa, com medo, perturbada, as vezes não pode contar com parentes, nem vizinhos, podendo apenas com os "irmãos". Existem aqueles que dizem que não vão atrás de "crentes velhos", não cronológicamente, mas espiritualmente, mas desde a década de 90 para cá, não vejo muita profundidade nessa "espiritualização", e como estão crescendo esses crentes. Uma vez que os mais velhos por muitas vezes se abalam.
        Lembro de um mês atrás ficar sabendo da doença em fase terminal da mãe de um colega e irmão em Cristo, ele assim como eu também passa por problemas emocionais. Imagino que não foi fácil ele acompanhar sua mãe num leito de hospital aguardando transferência para um hospital melhor, mais já desenganada pelos médicos. Liguei para ele algumas vezes conversamos, compartilhamos nossas preocupações e indagações, mas fico imaginando quantos mais fizeram isso, de fato ele não compartilhou creio com ninguém na igreja até por que trabalha a noite e pouco vai, mesmo assim, ninguém o estava acompanhando, ninguém sentiu sua falta, ninguém disse vamos a casa dele. Hoje em dia as pessoas vão e voltam as igrejas, elas passam desapercebida. Foi o tempo que diziam: "Ah se passo uma semana sem ir a igreja no outro dia estão me ligando, indo em casa!" Foi o tempo.
       Passado algum tempo sua mãe morreu, outro colega me informou. Passei dois dias para ligar sinceramente não tinha o que dizer, ele podia reagir mal ao que dissesse. Entretanto, sabia que era importante ligar. Mesmo que não tivesse as palavras certas, sabia que ele queria se sentir amparado, saber que tinha pessoas sabendo da sua dor e se importando com sua pessoa. As vezes nós queremos apenas falar ou ouvir ou até mesmo ser ouvido. Depois de eu ter ligado e conversado alguns instantes e dizer que havia comunicado mais algumas pessoas ele agradeceu. Passado dois dias me ligou lá da empresa onde trabalha a noite eram quase dez da noitee ficamos cerca de 40 minutos, pois trabalha no turno da noite sózinho até pela manhã. É muito bom saber que podemos contar com alguém, ele sabia que ao ligar eu não iria dá qualquer desculpa e desligar. Não mesmo, deixei muitas das vezes certas coisas para mim e fui conversar e tentar ajudar pessoas. Passado dias veio a minha casa e podemos conversar melhor.
       Bem quantos parenteses eu abri não é verdade?! Pois bem eu conversei com Deus enquanto tomava banho e disse que eu mesmo não tenho autoridade nenhuma, poder algum para modificar minha vida, mas preciso da sua direção. E sei que o o nome e o sangue de Jesus tem poder, para amarrar as obras de Satanás em minha vida, já não sinto vontade de ir a igreja, pouco oro. São enxurradas de acontecimentos: saúde, familiar, conjugal, profissional, espiritual. Minha esposa não se interessa mais em ir a igreja diz que é muita hipocrisia e demagogia, não vejo orar e as vezes comete derrapadas e começa a ter gostos duvidosos. Expliquei para Deus o quanto é minha preocupação com o futuro da minha filha, quero da uma boa educação para ela, mas também principios biblicos e preciso da sua ajuda. E gostaria de ser aquela pessoa que ajudava as pessoas e que achava graça nas coisas, curtia o ambiente do meu trabalho, vê pessoas, conversar com elas, se sentir importante, ter autonomia para ajudar. E declarei em o nome de Jesus que Satanás não tocará em minha vida! E na Força e Poder do Espirito Santo superarei todas as coisas. E chorei muito naquele banheiro, a água fria do chuveiro levou as lágrimas quentes que escorriam do meu rosto.
        Espero em Deus ser curado, para que outras pessoas permaneçam na fé, na esperança e no amor.
        Durante o período da tarde tive que lutar contra o "maquiavélico", não queria ir a igreja, mas as 18:20 hs num ímpeto me levantei escolhi a roupa, dei um trato no sapato, chamei minha filha e as 19:07 hs estavamos lá. As cinco primeiras fileiras de bancos da coluna esquerda e do meio estavam vazias, o som também não estava bem com falhas, (minha psicóloga diz que sou muito detalhista e observador) e que nestes ultimos tempos esta muito mais aguçado, isso é uma verdade, se um inseto se mover no canto direito superio da sala eu logo o detecto. Isso devido tempos atrás vê vultos, sensações de está sendo observado, ter a impressão de que pequenas sombras estão se movendo pelas paredes e no chão e ao fixar os olhos nada está lá.
        Contudo, para mim pouca coisa aconteceu, sejam nas palavras, nas apresentações, parece que não tem mais efeito. A pregação foi boa falou da importância da Santa Ceia, inclusive estou lendo um livro chamado " A Dinâmica do Culto Cristão - Origem, prática e simbologia" de David Karnopp, ele enfatiza essa importância e não entende o por que de se realizar uma vêz no mês. Parece que o Pastor da igreja esta lendo o mesmo livro (claro que não deve ser verdade). No entanto, me deixou um pouco confuso se devia ou não ceiar e pela dúvida achei melhor não. Foi falado algumas coisas sem necessidades (todos eles falam, ninguém é perfeito). Minha filha dormiu com a cabeça recostada em minhas pernas, quando acordou fiz o convite de irmos embora e antes mesmo de tomar a ceia saimos (vi a cara de espanto de uma irmã). Eu não senti nada, absolutamente nada. Para mim foi como um evento qualquer, muito diferente das outras vezes que comparecia, não estou dizendo que é a igreja (isso como gera problemas), até por que igreja é igreja (salve algumas seitas), para o culto penso que seja 50/50, vc tem que está 50% bem com você mesmo! O que quero dizer é que as palavras não tem mais impacto sobre mim, não soa mais como verdade. Por que estou vendo acontecer várias coisas que aparentemente contradiz o que é dito! (pelo menos na minha vida). Não vou desistir até mesmo pela minha filha, por mais que alguns queiram.
        Mais quem sabe amanhã muda tudo, inclusive nada!

domingo, 11 de março de 2012

Será que o Geraldo de antes, existirá?!

     As vezes me sinto muito sózinho, além do fato de ficar a maior parte do tempo sózinho em casa, mesmo morando ao lado da casa de minha mãe. Sózinho por que não posso contar o que sinto, contar posso, mas as pessoas não compreendem. Uns dizem que não posso desistir, que tenho que ter força. Mas de onde vem essa força?! Nos ultimos dois meses tenho me entregado a acaso, não luto mais, a última vez que fui a igreja foi no último domingo de janeiro. Não tenho mais aqueles horários especificos de oração. Na verdade eu não sinto mais vontade de ir a igreja, nem de orar, converso as vezes com Deus, rara as vezes.
     As pessoas falam de vida transformada, isso não aconteceu comigo. Houve um melhoramento, mas não houve transformação. Desde pequeno sempre fui a criança nervosa, descontrolada, chamado de hiperativo! Crescendo aos 12 anos já tinha ideias suicidas. Chegava as vezes nos conflitos com minha mãe desejar sua morte, quando não misturava alguns comprimidos afim de acontecesse alguma coisa comigo. Não gostava de estudar, apanhava algumas vezes e feio, de galho de goiabeira como doia aquilo. Talvez por isso hoje não bato na minha filha raramente.
    Na rua onde moro sempre fui ridicularizado por colegas e por vizinhos. Chamado de "mamãezado" ou coisa do tipo. Estudei a maior parte da minha vida num colégio particular, um colégio de freiras. Até o ano de 1992 fui uma pessoa apagada, discreto, com alguns repentes de explosão. Os colégios particulares geralmente nos dão uma ideia errada do mundo, nos criam num mundo fechado. Passei um ano fora, numa Escola Técnica e vi como a vida era, muito diferente do que vivia no meu mundo do colégio e de casa também. Quando voltei em 1994 para as freiras, as coisas nunca mais foram as mesmas, palavras ditas por elas também. Rebelde, respondão, aprontando muitas.
     O começo de 95, cheguei a frequentar uma igreja evangélica, mas acho que era mais por empolgação, não fiquei nem tres meses. Mas tudo isso tratarei em "Minha História". O que quero dizer que sempre fui explosivo, agressivo, descontrolado, falar coisas, gritar, lembro bem de que quando não tinha mais como expressar toda raiva, ódio, quebrava as coisas, jogando-as na parede, chão, virando a mesa, isso eu lembro.
        Conheci a pessoa que hoje é minha esposa em 1999, tivemos uma paquera rápida no mesmo ano. Mas firmamos o namoro no final de 2000, no final de 2001, veio morar em casa, já que ela morava quase 100 km da minha casa, durante o namoro demonstrei o meu carater. Não posso falar das coisas terriveis que fiz contra minha esposa, pois não tenho sua permissão para tal, afinal isso atingirá diretamente sua pessoa. Só posso dizer que sinto repulsa. Em 2002, após convites de um amigo, na verdade o único amigo que hj mora distante congregrei numa igreja. Nos três primeiros anos foram bons, sentia as pessoas preocupadas uma com as outras, algo bem próximo, familiar. Como disse meu temperamento melhorou, porque acreditava que o Espírito de Deus tomava conta da minha vida, era regida por Ele. Minha filha nasceu no final de 2003. Eu desempregado, minha esposa cursando o ensino médio, havia também em 2000, cursado a Escola Técnica Federal, mas abandonei.
          Hoje entendo perfeitamente por que em 1993 abandonei o curso de eletrônica na Escola Técnica Estadual do Pará, por que em 1995 abendonei a Igreja da Paz com três meses. Entendo por que quando começava um relacionamento e sentia que caminhava para algo mais sério abandonava a pessoa assim fiz por duas vezes em 1997. Abandonei a escrita de um livro em 1998, mesmo ouvindo de algumas pessoas que leram as primeiras 50 paginas e acharam muito bom. Abandonando o cursinho do mesmo ano e nem indo prestar o vestibular. Como disse em 2000 e 2001 não concluí o curso de Mineração na Escola Técnica Federal do Pará (hoje IFPA). Em 2002 após seis meses de trabalho (meu primeiro emprego num supermercado), fiz com que o gerente me despedisse (na verdade eu respondi de "atravessado" para ele).
              Sofri muita pressão por parte de minha mãe, sempre ela me comparava aos meus colegas que já se encontravam formados e até trabalhando. Não me deu apoio moral quando cursei em 2000 mineração. Nunca aprovou e até hoje não engole muito minha esposa. Todas essas coisas pesaram sobre mim. Interessante quando me convertir ela não se intrometeu, nas visitas dos "irmãos" ela sempre recebeu bem e adquiriu amizades com muitos.
                 Em 2005, consegui um emprego, numa das melhores empresas do Estado e paralelo a isso, comecei a cursar uma Universidade aos finais de semana (História). Em meados de 2008, fui afastado do trabalho por causa de uma hérnia discal, voltando em 2009. Nesse período quase abandono a universidade alguns colegas me ajudaram bastante. Mas em meados de 2009, fui afastado novamente por problemas como alguns já sabem psicológicos (depressão e querendo me suicidar).
                Já neste momento para mim a igreja já não era refúgio, venderam para mim gato por lebre. As pessoas só estão preocupadas com elas mesmas. E fazem de tudo para se manterem fechadas, guardadas em seu próprio micro-mundo. Salve algumas excessões, pouquissimas pessoas, ainda que te visitam, ligam, mandam mensagens, palavras de conforto, de força, apoio, que oram contigo, um abraço gostoso e verdadeiro. Sofri algumas perseguições na universidade, mas o que balançou minha fé foram algumas teorias, pensamentos, indagações. A própria cultura evangélica também para mim é questionável, "não pode isso, não pode aquilo" e sem um embassamento bíblico e até falta de raciocinio lógico. Não digo isso tomando exemplo apenas onde congrego, mas o que é veículado na mídia, na internet, tv e etc... Nos bate papos pelo Brasil, pelos colegas que são de outras denominações. Muitos são os escandalos, as trocas de favores, a preocupação em agradar os lideres e não a Deus. A espiritualização de tudo, a santidade elevada, os egos inflamados, complexos de superioridades e por ai vai. Alguns dizem que é preciso ter uma Nova Reforma Protestante. Cheguei por momentos querer largar a fé, antes disso visitei e fui há alguns congressos, encontros e aí pude constatar o que haviam me dito e mais um pouco.
                  As pessoas falam de coisas que não entendem, dizem que um servo de Deus não passa por necessidades. Como estão enganadas, principalmente as materiais e o pior os "irmãos", estão lá indo todos os dias para igreja com seus afazeres, reuniõeszinhas e na prática pouca ou nenhuma coisa. Criticam a maior parte do tempo as outras denominações para poderem fortalecer a sua. Falam de idolatria na igreja Católica Romana e idolatram seu pastor local, pastores e pregadores midiáticos ou irmãos cheios da unção e revelações. Não tem uma preocupação com os visitantes, muito menos com os que se convertem, aos enfermos são raro as visitas. No entanto, estão indo todos os dias como dissessem: "estou fazendo a minha parte!" Garantindo assim um pedacinho no céu. Os pregadores por sua vez não tem preocupação no carater e espirito das pessoas, preocupam-se em encher igrejas, em construções ou mega-construções e congressos que começam mais não tem fim, não um fim cronológico, mas não se chega conclusão alguma, as pessoas houvem, mas daqui a três meses esvaziam-se novamente.
                Contudo, não estou fazendo apologia as pessoas não irem mais as igrejas, por que existem aquelas que os lideres com seus defeitos, ainda pregam somente a Bíblia e não de forma destorcida. E entendo que numa igreja de 800 membros de fato os que querem fazer o IDE DE JESUS, não chega nem a 10% dessa membresia, mas é neste 10% que devemos nos achegar. Aprendendo com os erros dos outros que devemos repetir a nós mesmos a seguinte frase: "Assim que não devo ser!" e com os nossos erros devermos repetir: "Não devo ser mais assim!"
                 Todas as vezes que me desanimei, decepcionei, me frustrei, não tive uma apoio pessoal, mas espiritual. Depois de longos 2 anos desde q fui acometido com está doença, por diversas vezes entrei em crise, fiquei agressivo, não querendo conversar com ninguém, com medo, pavor, nervoso, com sentimentos ruins. Obtive por diversas vezes o silêncio de Deus. Em outras suas respostas. Não acredito na igreja como coletividade, acredito em sua individualidade. Naqueles que entende o que quer dizer o evangelho, sua pratica, sua ação. Sabe por que no começo da conversa disse que entendo por que diversas vezes abandonei várias coisas?! Por que ouço uma voz interior, uma voz destrutiva, negativa, voz que já mandou matar e/ou suicidar. Voz está que coloca desconfiança em meu coração, insegurança, medo. Como disse em outros textos, o chamo de maquiavélico, só maquina o mal, pelo prazer de vê o outro sofrer. Não escolhe cor, raça, religião, sexo, apenas quer ve o outro sofrer. Está semana algo aconteceu, mesmo depois de entregar os pontos, algo aconteceu. A tia da minha esposa veio a uma consulta médica, ela mora no interior do Estado, nós a hospedamos. Ela foi humilhada pelo médico do SUS (novidade). E a amparei de todos os modos, no outro dia fui na minha antiga unidade e consegui uma consulta com especialidade que ela precisava, foi muito bem tratada. As pessoas que me viram me abraçaram, me cumprimentaram. Aquela mulher chorou e disse: "Jeová te colocou na minha frente juntamente com aquele médico e não tenho palavras para agradecer". Essa ação minha que foi automática, mas a recepção que minhas antigas colegas me deram. Fizeram sentir que ainda tem um Geraldo, que já não sentia mais, que para mim já não existia, um Geraldo de três anos atrás. Eu ainda acho que ele pode existir.