sábado, 26 de julho de 2014

Visões, Paranormalidade, Premonição, Mediunidade, Arrebatamento, Revelação, Alucinação...

Como poucos sabem tem algo que me acompanha faz um tempo. Se já tinha algum rotulo sobre minha pessoa, imagina depois destes relatos. Contudo imagino que poderei e serei ajudado, com minhas experiências, acredito que outras pessoas conheçam bem os casos ou tenham possiveis explicações, seja pela ciência, seja pela fé.
Pois bem, tentarei explicar da melhor forma possível. Para cada fé existe conceitos para este assim denominado por mim de fenômeno. E para facilitar chamarei de "visão". Como ocorre: Eu posso estar em qualquer lugar, agindo normalmente, conversando com alguém, admirando uma paisagem. E de repente uma imagem se projeta em minha mente, ela tem começo, meio e fim, é uma circunstancia, nunca vista antes, são pessoas que nunca vi, são ambientes que nunca estive, lugares, paisagens, nunca antes visitados.
Semana passada estava deitado na cama lá pelas 16 horas, junto a minha esposa conversando, enquanto ela falava veio a visão de homens brancos usando calças de linho na cor bege, com a barra enrolada até a pantorrilha, usando chinelos de dedo, eles subiam numa carroça um a um, e caminhavam por uma estrada de terra. A cena parecia daqueles filmes que falam sobre imigração. Eu sinceramente não sei o que essas visões querem dizer, mais é constante acontecer. Ontem tive um pequeno mal estar e fiquei de repouso novamente na cama. Tive tres visões seguidas, a primeira eram mão sendo lavadas e esfregadas e abaixo havia uma bacia, a segunda era uma cidade que dava pra ser avistada de um monte ou visão aérea. O que chamava atenção era que a cidade parecia colorida ou existia uma variedade de cores envolta dela e uma grande aglomeração no seu centro e então a imagem ia se distanciando. A terceira e ultima não lembro mais.
Essas visões não devem chegar nem a um minuto, raramente tem sons, apenas imagens. As vezes são lindas, outras bucólicas, outras violentas, outras do cotidiano de qualquer pessoa.
A única vez que eu lembro agora de ouvir algo, foi certa vez no banheiro, quando abriu-se a imagem de um livro numa inscrição para mim desconhecida (árabe, grego talvez), e escutava (esse escutar não é como escutamos nossa própria voz ou de alguém falando conosco, mais sim quando imaginamos o que iremos dizer em alguma situação). O livro estava aberto ao meio e alguém o lia para mim, no entanto, lia numa lingua que eu não conhecia. É tudo estranho e fascinante, por que eu estou conectado "naquele mundo", mais também estou conectado neste mundo, ouço os barulhos externos. Assim tenho a certeza que não é um sonho nem transe, porém meus sentimentos no "nosso mundo" são impactados. Exemplo se a visão que tenho for de suspense, intrigante, medo, acidente. Meus batimentos cardíacos aceleram, fico preocupado, choro ou fico triste. Se a visão for algo alegre, que trás paz, segurança. Corre uma "descarga" de felicidade, tranquilidade. Me passa sentimentos bons. Creio que hoje é a primeira vez que consigo descrever algo do mais próximo que sinto.
E para finalizar em casos raros já tive oportunidade de ter visões e no futuro acontecer exatamente como vi ou algo próximo. Darei exemplos numa outra oportunidade.

sábado, 12 de julho de 2014

Assistir A Culpa é das Estrelas

Sim foi um filme feito pra chorar. Mais também para refletir, sobre a vida, sobre a morte, de como encarar ambas. De amar desenfreadamente. Como diz a música do Legião Urbana: “É preciso amar as pessoas como não houvesse amanhã”.  De falar de limitações, falar de família, falar dos que irão ficar, falar dos que continuarão nos amando. Falar de grupos de apoio que já estão com a pá prontos para nos enterrar, entende-se também algumas igrejas, ONGs e etc....
De viver o luto antes da partida e depois dela. De realizações de sonhos, realizações frustradas mais que tentamos. De superproteção, amor, carinho, compreensão e incompreensão. De dizer o correto pela simples e puro protocolo.
Mais o que é lindo é o amor inocente, o amor inicial, a paixão, conhecer o outro, gostar do outro, querer o outro. Das ligações diárias, das palavras de despedidas. Das declarações românticas. Mudando de assunto mais ainda dentro do contexto, foi mudado minha medicação há dois dias e nas noites que se segue tenho me sentido muito ruim, principalmente enjoo e outras coisas. Ontem a noite minha esposa pegou álcool, passou na minha testa, em sua mão para eu cheirar. Ficou pegando na minha mão, a respiração ficou acelerada e eu apertava sua mão. E todo movimento brusco que fazia ela logo perguntava o que estava acontecendo. Depois deitei sobre sua costa e fazia carinho no seu corpo e ela ao meu. O sono lhe venceu mesmo assim disse que qualquer coisa lhe chamasse. E quando levantava para ir ao banheiro logo ela acordava. Só pude descansar as 3 da manhã, olhando para ela então peguei no sono.
Lembro-me que fomos comer após o filme e fizemos juras de amor, confissões e planos para o futuro. Falamos que um morra antes do outro que nunca se esqueça do outro. Falamos de mais filhos, de saúde, de educação, companheirismo, de ser uma só carne como a Bíblia diz. Falamos de amor.
Lamento pela ignorância de muita gente que não vai ao cinema, shows, encontros, teatro e outras coisas por certas convicções. A grande verdade é que falta esclarecimento e principalmente... Amor.