segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Eu sou a Igreja Parte 1

Do contrário de que alguns podem pensar, estou muito tranqüilo, em paz e feliz sem um lugar para congregar. Eu nunca fiz apologia as pessoas não irem a igreja, mais defendo que ela não é o centro de nossa vida, eu não posso ficar em órbita a vida toda ao redor dela. Essa coisa que só vamos encontrar a paz, a verdadeira felicidade dentro da igreja, nada mais é de que artifício de lideres para manter as pessoas num sistema as vezes deficiente. Afinal pense comigo, querido (a), a medida que vc cresce e amadurece vc compreende que vc encontra Deus na natureza ao contemplar uma paisagem, lá vc observa os detalhes, a riqueza da obra do Criador, seja pela brisa, pelos pássaros cantantes. E vc contempla Deus, vê sua grandiosidade. Quando vc sai com sua família e vê seus filhos brincando, seu cônjuge com um largo e expressivo sorriso, risadas ecoando e vc diz “sou feliz”. Naquele momento vc exprime um sentimento e repete em pensamento “obrigado Deus”. Deus está se fazendo presente ali e vc estar tendo a consciência disso.
 Ajuda alguém conhecido ou estranho em alguma dificuldade, vc expressa o que Jesus te ensinou, compaixão, misericórdia, amor. Quando vc vai em uma festa, onde é algo respeitoso, vc ta entre amigos, parentes, dançando, se divertindo, rindo, lembrando do passado é aquela noite que vc chega extasiado, vc pensa o quanto é feliz, o quanto Deus te mostrou amigos, amigos mais chegados que irmãos. Amigos que podem até não ter um versículo de cabeça para te falar, mais falam coisas do coração, seja de encorajamento ou apoio. Você lembra, daquele momento na pista de dança das musicas que embalaram seu namoro, das juras de amor, do abraço, do afago, do beijo energizante, Deus te proporcionou um momento onde atrelamos ainda mais nosso relacionamento, um para com o outro e para com Deus, pq toda essa circunstancia remete Deus. Não ir ao cinema, teatro por causa de alguns palavrões, nudismo ou “pouca vergonha”? Deixe de ir ao seu trabalho para evitar os colegas que falam o dia inteiro sacanagens, de pegar um ônibus, para não ouvir da boca de alguém um xingamento para outro. E o que seria “sem-vergonhice”? Espero não ser a mesma que são ditas e feitas entre quatro paredes no final de noite! Não ir a praia pq existem homens e mulheres semi-nus? Com isso posso cair em tentação? Já diriam muitos “quem treina joga!”, se não treinar seus olhos e pensamentos (porque não tem como ninguém não pensar no primeiro momento e o perigo não esta ai, mas sim no que vem depois, no que fará com ele), imagino então o dia que alguém se declarar pra você, lhe roubar um beijo ou quem sabe se despir em sua frente, não quero nem saber, mas imagino a reação. Poderia citar tantas outras coisas, contudo posso resumir em algumas palavras: Hipocrisia e falso pudor. Mais para não perder a linha de pensamento quando falei acima como artifício de líderes, para manter as pessoas presas, seria o seguinte, quando a pessoa começa a raciocinar sobre tudo isso, o que acontece, ela começa dizer pra si que de fato não precisa estar todos os dias na igreja, com exceção de quando ela sente prazer, quando isso é um fato não posso questionar, questiono, quando ela faz dessa pratica, uma religiosidade, crendo que essa sua ação irá pesar na balança de Deus quanto a sua conduta. E os lideres temem isso, pois acham que eles são os detentores de Deus numa pequena caixa de jóias. As igrejas assim pensam podem esvaziar, tem medo de perderem o monopólio de Deus. E com isso irão viver do que, que receitas irão entrar no Templo?!
Tempos atrás, na minha cidade existia apenas uma empresa de ônibus, que fazia o trajeto ao centro. Quando houve a “Quebra do Monopólio” foi um festejo só. Interessante que as pessoas não perceberam que as outras empresas operaram com linhas que faziam trajetos em áreas periféricas e menos importante ao centro comercial de Belém ainda permanecia a velha empresa. Hoje se vive em boa parte das igrejas esse festejo, o festejo que sou liberto, no entanto, que a verdade ainda está encoberta. Só para comentar depois de um tempo a velha empresa faliu, cheias de dividas trabalhistas, os filhos a dividiram em outras pequenas empresas, se digladiam todos os dias e alguns já começam a fechar as portas.

Eu tenho uma receita para esses lideres medrosos e atormentados, alguns até frustrados. Sim frustrados pois líder religioso, seja padres, pastores, missionários e qualquer outro titulo deve ser um dom e não como disse um titulo, status. A receita é ensinem suas ovelhas a viverem, experimentarem mais de Deus fora da igreja. Quem é que descobrindo um Oasis no deserto e tendo o mapa não irá voltar?! Infelizmente é fácil nos dias de hj sentar-se atrás de uma mesa e aconselhar as pessoas, e muitas vezes usando uma psicologia barata, do tipo dizendo que o problema está em nós mesmos, e quando estamos com problemas, vemos problemas em tudo, existe um fundo de verdade nisso claro, o problema é quando o numero de pessoas é significativa nisto. Será que eu realmente como líder não tenho parcela de culpa nisto, a mínima que for?! Fica extremamente duvidoso, eu tirar conclusões de uma pessoa de algumas conversas esporádicas, quando apareço ou peço uma “audiência”. Quando de fato o certo era eu acompanhar de perto minha ovelha, ir a sua casa, conhecer sua realidade, os problemas diários, as condições em que ela vive. Saber se ao menos tem um pó de café do mais barato. Faça um teste com você mesmo, olhe agora o objeto a sua frente, observe-o e tudo o que está ao fundo, depois disto olhe do outro lado, olhe de vários ângulos, isso se chama perspectiva, você teve impressões diferentes a medida que trocou de ângulo. É a mesma coisa quando alguém chega pra você e fala de um amigo em comum, logo depois chega outro e da uma impressão totalmente diferente da mesma pessoa. Hoje acontece a mesma coisa os líderes tem pessoas para fazerem essa avaliação. E dessa colcha de retalhos sabem exatamente como estar sua ovelha, sabe da impressão que lhe forneceram, informações essas muitas vezes superficiais, pois as pessoas não costumam se abrir para todos. Não estou desmerecendo o trabalho, boa vontade daqueles que fazem visitações, ao contrário é um dos trabalhos mais fantásticos que ocorrem na assembléia dos santos, na igreja. Num mundo dinâmico, onde tempo é dinheiro. Tirar um pouco do seu tempo em prol de alguém mostra realmente, amor, carinho, preocupação, tato, sensibilidade para com o seu próximo. E isso é prova de que a igreja ainda tem sua importância, graças aqueles que tem uma fagulha dentro de si do que é o evangelho.
Já passa de uma da manhã de segunda-feira e preciso dormir, espero que na continuidade deste texto eu esteja tão inspirado e sincero para continua-lo do jeito que gostaria que fosse.