sexta-feira, 29 de agosto de 2014

O Meu Evangelho!

Convido a mim mesmo Gera Wellington, a sempre me alimentar deste vídeo e convido a todos Cristãos e não cristãos a assistirem um pouco mais de 15 minutos deste vídeo. Aqui quem assistir vai se deparar com um evangelho que nunca ouviram falar ou irão pensar que estavam fazendo a coisa certa. Mais de fato vivem um evangelho vomitado pq é morno, nem quente e nem frio e as pessoas estão embarcando direitinho. Irei citar algumas pessoas aqui e não pense que eu estou dando indiretas. Ao contrário conheço um pouco de cada um deles outros quero mostrar que muitas coisas são compartilhadas no que é deixado como é um evangélico e a verdade é que a partir do 6º minutos irão perceber que existe um um evangelho mostrado ai fora totalmente distorcido. Nestes dias cresce uma vontade louca de ir a um asilo, ir a um orfanato, ir a lugares onde pessoas, crianças padecem de câncer e qualquer outra mazela. Para eu mesmo me perceber que sou pequeno, que me preocupo com coisas vãs, de que um abraço, palavra de conforto e apoio faz muita diferença, apenas um aperto de mão, talvez exista pessoas sozinhas sem uma única visita. Vê que toda a minha força, orgulho, jovialidade pode no final da vida da em nada. Talvez quem sabe. Eu não sei como irei fazer isso, mais se assim for a vontade de Deus para minha vida, mesmo eu não sendo a melhor pessoa para fazer tal coisa, pois os melhores talvez estejam preocupados com eventos, construções e preocupações com o seu próprio bem estar. Ele providenciará. Ontem falei com Deus, de que sim espero ser prospero financeiramente sim. Para que eu possa dar um sorriso a uma criança de um sapato novo, como a aluna da minha esposa Clarinda Saldanha recebeu um sapato usado de nossa filha Sarah Milinha, de quanto ela esperou, o quanto ela perguntava quase todos os dias para minha esposa, até que um dia ela lembrou de levar. De um dia encontrar uma das famílias mais pobres deste bairro e lhe entregar um cesta básica, duas, tres, sei lá, pq bem sei que outro dia havia apenas água em minha geladeira. Porque quando passa 30 minutos da hora do meu almoço sinto coisas que não sei nem explicar mais parece que vou desfalecer. Eu me desanimo pq as vezes falho e fico triste comigo mesmo pensando que não sou a pessoa capaz de realizar tal coisa. Como alguns sabem tenho períodos de depressão e há dias que o local mais longe que chego é o sofá da minha casa. Não dou dinheiro pra drogado, nem vagabundo que bate a minha casa em perfeito estado para trabalho, muito menos pra cachaceiro, sim são de certa forma vitimas, mais é dinheiro jogado fora. Eu já vi uma criança mais humilde olhando algo que minha filha tinha em mãos, eu vi naquele olhar a vontade de tê-lo. E isso me doeu, eu já vi em tempos atras uma roupa (usada umas tres vezes) que doamos para a igreja vender na porta, em outra garotinha, a roupa já surrada os botões do vestidinho quase estourando, pois ela já havia crescido. Foi uma sensação de alegria e tristeza, minha filha olhou e comentou que era a roupa que havíamos dado. Alegria em ver que estava cobrindo alguém e triste pq coitada já não era pra estar usando mais. Infelizmente o que me aborrece que os pais muitas vezes não dão conta de um filho e estão tendo mais. Por fim vamos transformar nossas mentes e levar cativos a Jesus nossos pensamentos (para os que acreditam nele).
Aceito sugestões, um dia poderei voltar a trabalhar quem sabe a partir de meados de novembro eu não sei já fazem 5 anos que estou afastado do trabalho mais até lá gostaria de ter feito alguma coisa. Já ouvi dizer que a igreja não é ONG, de fato, mais se a igreja não acolher aqueles que estão a margem da sociedade quem mais fará, se os centro comunitários, umbandistas, espiritas, igrejas que são constituídas de pessoas que claro tem suas convicções e diferenças quem mais fará. Não espere do governo, pois quando vem querem algo em troca. Nós deveríamos fazer não pra realizar nossos desejos mais para aplacar a fome, a falta de carinho, amor, compreensão, paz, justiça, frio e todas outras coisas que conhecemos, já experimentamos ou já vimos outros experimentando.