terça-feira, 12 de agosto de 2014

Ponto de vista a cerca das circunstancias

Andar equilibrado é muito difícil, sim tem vezes que é mais fácil mandar o problema embora do que trata-lo.
Situações aparecem em nossa frente, tem vezes que temos tempo para pensar outras não.
Neste segundo semestre, noticias vieram. A primeira foi que no local de trabalho de minha esposa das cinco que trabalham, foram demitidas quatro, ficando apenas minha esposa, no entanto, seu salário foi reduzido pela metade. Logo o que veio a cabeça foram as contas a chegar, as contas que iriamos fazer! Poderia ser um grande baque, mas recebemos conscientes, recebemos que vamos contornar a situação. Poderíamos nos entristecer, de fato nos entristecemos por que nos colocamos na posição dos outros que foram demitidos. Encaramos também de um modo que Deus nos diz: "Se preparem, se qualifiquem, estejam preparados, pode vim acontecer com vocês".
O desiquilíbrio, não veio graças ao amadurecimento do tempo, graças a Graça de Deus. Sabemos que Ele nos sustenta, nos ajuda, com suas mãos está fazendo cada vez mais nós sermos compreensíveis, amorosos, pacientes, respeitosos um para com o outro. 
Está é a certeza daquele que ora pela manhã, pedindo estás coisas, dentre tantas outras. E se desculpa pelo erro enfadonho de ficar ao máximo a noite a frente do pc, tv ou game e então numa oração rala, mal conversa com Deus. Não que eu creia que DEUS irá me punir por causa disto ou coisa assim, mais da minha falta de respeito e atenção com meu pai. E tentarei melhorar nisto, a grande verdade que estou sentindo uma grande vontade sobre isso, de mais atenção, de estar mais em sua presença com exclusividade, de ler sua palavra para mim.
Ontem segunda-feira recebemos uma outra noticia, nossa filha tem um pequeno problema, sua audição é perfeita, mas a mensagem chega com dificuldades ao cérebro, assim tendo problemas de interpretação e atenção. Distúrbio do Processo Auditivo Central. A otorrino disse que não é nada grave, fazendo exercícios (terapia) corretiva com a fono. Logo que peguei o laudo ainda no corredor, pude vê o diagnóstico, claro que a tristeza abateu sobre mim e chorei, afinal por mais que não seja algo grave, porém você nunca quer que seu "bichinho" tenha algo. E saber que em algumas vezes você foi rude quando a culpa não era dela.
A médica disse que talvez o plano não cobrisse e geralmente quando não cobre sei que o custo é alto por que já trabalhei nesta área e justamente na autorizações de procedimentos como esse e outros muito mais complexos. A profissional disse que foi melhor a descoberta, pois geralmente se descobre na fase adulta inclusive já na faculdade, no entanto, a pessoa já passou por tantas dificuldades. Por exemplo a pessoa percebe que seus amigos, na primeira leitura de um paragrafo tiveram um bom entendimento do escrito, enquanto a pessoa com este distúrbio, assimilará na segunda ou terceira leitura.
Poderia me revoltar em algum momento, apenas agradeci a Deus, por eu ter ainda este plano de saúde, mesmo descobrindo que realmente não existe cobertura e cada sessão custa R$ 100,00, sendo dez sessões, caso a profissional ache necessário  mais pedirá, a atendente da clinica disse hoje para mim que geralmente nas dez primeiras já um avanço grande, porém as sessões são seguidas. Agradeci a Deus, por ter ido a um otorrino responsável e ter descoberto e ser algo tratável.
O que me entristece é não ter este dinheiro, sabemos com toda convicção de quem pode nos ajudar e já nos estendeu a mão em 50%, onde na verdade pagará o total de uma só vez e nós a pagaremos no outro mês. E me surpreendo com que Deus nos faz, dentro do meu coração havia uma tristeza, por que a verdade era que eu gostaria de arcar com a responsabilidade que é minha ou nossa, eu e minha esposa. Um orgulho em dizer graças ao nosso trabalho, esforço conseguimos. Compreendi que Deus em sua infinita sabedoria e como Juiz sábio resolveu a questão: "Vocês querem participar disto, então arcarão com 25% cada um dos dois, sei que disso vocês serão capazes" Assim recebemos ajuda e também poderemos fazer nossa parte.
Com tudo isso eu fico a pensar, a grande vontade de ter outros filhos, entretanto, no momento e por razões obvias não existe tais condições. Mais fico pasmo com tanta gente que ainda tem filhos, sem pensar no bem estar, sem pensar numa educação e saúde de qualidade. Ainda mais quando tem uma mãe com uma teta enorme como o Governo com suas bolsas...
Agradeço Deus pela serenidade que estou tendo, agradeço pela tua mão sustentadora.
Gera Wellington